Thiago mU

Thiago mU

Thiago é jornalista, locutor e produtor à frente de empresas como o Studio Mu e dos Canais AudioProdutor e GospelBeats

Share on facebook
Facebook
Share on email
Email
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram

Sem citar fonte, Bolsonaro fala em 10 milhões de desempregados devido ao coronavírus

Presidente utilizou número várias vezes nesta quinta-feira. No fim de março, Brasil tinha 12,9 milhões de desempregados, segundo o IBGE.

Bolsonaro vai ao STF e apela por relaxamento de medidas de isolamento

Ao falar ao longo do dia nesta quinta-feira (7) sobre o total de desempregados em razão da crise do coronavírus, o presidente Jair Bolsonaro citou sem indicar fonte uma estimativa de 10 milhões de empregos formais perdidos durante a pandemia.

O número, se correto, representaria quase um terço dos 33 milhões de empregos formais existentes até março e aumentaria, em 77%, o número total de desempregados no país.

A informação mais recente divulgada pelo governo indica que, no fim de março, o Brasil tinha 12,9 milhões de desempregados. Comparado com dezembro de 2019, o número indica 1,2 milhão a mais de pessoas procurando emprego. Esses dados são da Pesquisa Nacional de Amostra de Domicílios Contínua (Pnad), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Ao divulgar os números, no fim de abril, o instituto não fez relação entre o desemprego e o impacto da pandemia. As primeiras medidas de distanciamento social foram decretadas em 11 de março, no Distrito Federal. Em São Paulo e no Rio, as regras foram anunciadas em 16 e 17 de março, respectivamente.

O presidente confundiu o número total de desempregados do país – reflexo de um contexto anterior ao da pandemia – com o impacto específico dos últimos meses. Ele atribuiu a informação dos 10 milhões de desempregados que mencionou ao ministro da Economia, Paulo Guedes.

Técnicos do Ministério da Economia esclareceram que Guedes estava se referindo à taxa de desemprego da economia (12,9 milhões), mas não informaram quantas pessoas, de fato, perderam o emprego desde o início das medidas de isolamento social que levaram ao fechamento de atividades comerciais e industriais.

As falas de Bolsonaro

Ao longo desta quinta, o presidente Bolsonaro usou três vezes a estimativa de 10 milhões para falar sobre o impacto da pandemia e a necessidade de retomada das atividades no país.

“Eu não posso passar por cima do Supremo [Tribunal Federal]. Inclusive [estão] aumentando as medidas protetivas. Pessoal, já está na casa dos 10 milhões de desempregados no Brasil, formais”, declarou pela manhã na saída do Palácio do Alvorada.

Em seguida, Bolsonaro repetiu o dado em reunião com o presidente o STF, ministro Dias Toffoli.

“Trinta e oito milhões de informais e autônomos perderam a renda ou tiveram essa renda substancialmente reduzida. Por parte da formalidade, quem tem carteira assinada, segundo o ministro da Economia me disse agora há pouco, está batendo a casa de 10 milhões de desempregos. Esse número tende a crescer.”

Ao retornar à residência oficial, questionado sobre a origem do número, o presidente voltou a atribuir a informação ao ministro da Economia, Paulo Guedes.

“Vamos arredondar, 10 milhões de carteira assinada, perderam. Os informais, caiu a renda em 80%, alguns caiu para zero […] É do Paulo Guedes. De onde ele tirou isso, eu não sei. Eu até achei que fosse menos. Ele falou que está na casa de 8 milhões e meio, 9 milhões. Eu gostaria que fosse menos, mas é uma realidade”, disse.

Pandemia sem números

Até 2019, o governo federal usava o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério da Economia como dado oficial de desemprego. No entanto, o último relatório do Caged divulgado foi o de dezembro do ano passado.

Em nota divulgada em março, o Ministério da Economia suspendeu a divulgação do relatório sob o argumento de que os empregadores não estavam informando dados ao governo, o que poderia “comprometer a qualidade do monitoramento do mercado de trabalho brasileiro”.

O Caged tem uma defasagem menor que a Pnad Contínua, porque lida com um volume menor de dados. Até 2019, o resultado de um mês era divulgado com atraso de cerca de 15 dias.

Como o Caged não é atualizado desde dezembro, na prática, ainda não há dado oficial de emprego que permita medir o impacto da epidemia do coronavírus. Até esta quarta-feira (6), o IBGE também não tinha divulgado dados de abril – as tabelas só devem sair no fim de maio.

Open chat
1
Olá!
Posso te ajudar?