Thiago mU

Thiago mU

Thiago é jornalista, locutor e produtor à frente de empresas como o Studio Mu e dos Canais AudioProdutor e GospelBeats

Share on facebook
Facebook
Share on email
Email
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram

Saúde do RJ amplia capacidade de análise e diz vai zerar a fila de 1 mil testes até domingo

Segundo a secretaria, Laboratório Central passou a funcionar 24 horas, e estado ampliou capacidade para 900 amostras, em 4 laboratórios. Até esta sexta, foram feitos 5 mil testes. Mais 700 mil exames rápidos comprados são esperados ‘nos próximos dias’.

A Secretaria Estadual de Saúde do RJ informou nesta que vai zerar a fila de testes que aguardam confirmação para o novo coronavírus até domingo (5). Até a manhã desta sexta-feira (3), havia cerca de 1 mil testes à espera de resultado em todo o estado.

A expectativa para pôr fim à fila se deve, segundo a pasta, à chegada de novas máquinas, da reorganização de recursos humanos e de parcerias e de parcerias com outros laboratórios credenciados.

Além do Laboratório Central de Saúde Pública Noel Nutels (Lacen), que passou a operar 24 horas por dia, e da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), a primeira no país a fazer o teste, agora outros dois laboratórios fazem a testagem biomolecular: o do Instituto de Biologia do Exército (Ibex) e da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj).

Atualmente, a capacidade do estado atualmente é de produzir e processar 900 exames por dia – 500 deles no Lacen. Em duas semanas a previsão é que esse número aumente para até 2 mil testes.

Segundo o secretário estadual de Saúde, Edmar Santos, as medidas permitirão que laudos saiam, em média, em 48 horas após a entrada. Com isso, diz, o estado terá mais agilidade no processo de confirmação ou descarte dos casos e o acompanhamento do cenário epidemiológico será mais real, assim como a evolução da curva dos casos.

“Essa visão nos ajudará a definir futuras ações de enfrentamento ao vírus”, indica o secretário de Estado de Saúde, Edmar Santos.

Até a noite de quinta-feira (2), o estado tinha quase mil casos confirmados e 41 mortes.

Testes rápidos

O RJ também conseguiu 1,2 milhão de testes rápidos — quando é recolhida uma amostra de sangue no dedo do paciente e o resultado sai em 15 minutos — que vão ser usados em pessoas com sintomas e internadas.

Testes de Covid-19 são realizados 24 horas no Laboratório Central do Rio de Janeiro — Foto: Mauricio Bazilio / SES

Testes de Covid-19 são realizados 24 horas no Laboratório Central do Rio de Janeiro — Foto: Mauricio Bazilio / SES

O secretário estadual de Saúde, Edmar Santos, diz que testagem rápida não será feita em toda a população e que vai ser conduzida em postos itinerantes do Detran.

“Já temos a metodologia: terá um aplicativo que vai fazer uma triagem e vai nos apontar quais indivíduos têm mais necessidade de serem testados primeiro. Esses indivíduos, no próprio aplicativo, vão receber um voucher com código QR para se dirigirem aos postos do Detran’, explica.

A testagem rápida ainda não tem uma data para começar e vai ser auxiliada por técnicos de enfermagem da Fundação de Apoio à Escola Técnica (Faetec).

Como o teste é feito?

Assim que os exames chegam ao laboratório, um técnico recebe as amostras em uma caixa térmica. O funcionário confere se o teste tem três bastões parecidos com um cotonete, com material coletado nas narinas e na boca do paciente.

Nos casos de óbitos, casos graves e exames de profissionais de saúde, o tubo ganha um adesivo escrito urgente, para ter prioridade.

Testes são separados por urgência no laboratório do estado — Foto: Reprodução/TV Globo
Testes são separados por urgência no laboratório do estado — Foto: Reprodução/TV Globo

Testes são separados por urgência no laboratório do estado — Foto: Reprodução/TV Globo

Depois da coleta, cada tubo ganha uma solução, um líquido que solta as células que estão presas nos cotonetes.

Em outra sala, técnicos adicionam uma nova solução, que vai quebrar a célula e expor o material genético do paciente.

Após todo o processo, o material é levado para a sala final, onde o biólogo coloca o teste em uma máquina capaz de detectar ou não a presença do novo coronavírus. O resultado sai na tela de um computador.

Quando o teste dá negativo, o resultado entra no sistema sistema da Secretaria de Saúde e o paciente é avisado. Quando dá positivo, um setor específico da secretaria, a Vigilância em Saúde, é avisado e toma as medidas necessárias. Existe ainda a possibilidade de o teste ter apresentado falha alguma etapa e ter que ser refeito.

Open chat
1
Olá!
Posso te ajudar?