Thiago mU

Thiago mU

Thiago é jornalista, locutor e produtor à frente de empresas como o Studio Mu e dos Canais AudioProdutor e GospelBeats

Share on facebook
Facebook
Share on email
Email
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram

Estudantes da rede estadual de SP terão aulas por TV aberta e celular

Os 3,5 milhões de estudantes da rede estadual de São Paulo vão ter aulas por meio da TV aberta e pela internet. O governo criou o Centro de Mídias da Educação de São Paulo, plataforma que vai permitir acesso gratuito às aulas e outros conteúdos pedagógicos durante o período da pandemia do novo coronavírus (covid-19).

Para que nenhum estudante fique de fora, as quatro maiores operadoras de telefonia – Claro, Vivo, Oi e Tim – firmaram contrato com o governo para oferecer acesso à internet gratuito. Dessa forma, todo estudante da rede poderá acessar as atividades do aplicativo sem utilizar o pacote 4G do celular, sinal de internet wi-fi, ou mesmo quando estiver sem créditos.

“Conseguimos garantir a internet gratuita para nossos estudantes. Então, sempre que ele logar nesse aplicativo, ele não pagará da sua internet, mesmo que seja um celular pré-pago”, disse Rossieli Soares, secretário estadual da Educação.

Na TV Cultura, o sinal digital utilizado é o 2.3 e será chamado TV Cultura Educação, com inauguração na próxima segunda-feira (6). A ideia é que sejam transmitidas 10 horas de programação por dia. Na internet, o Centro de Mídias poderá ser acessado pelo site centrodemidiasp.educacao.sp.gov.br, onde poderá ser baixado o aplicativo para uso em Android e IOS.

Para ter acesso, estudantes e professores da rede estadual terão de fazer o login com os mesmos dados usados na Secretaria Escolar Digital (SED).

Como a Secretaria da Educação determinou a antecipação do período de férias e de recesso escolar, neste momento os estudantes são convidados apenas a conhecer as ferramentas para se familiarizarem com a plataforma.

Na primeira fase do programa, segundo o secretário da Educação, Rossieli Soares, não haverá faltas e nem provas. Mas vai mudar a partir do dia 22 de abril, quando os dias letivos devem recomeçar. Daí a utilização da ferramenta poderá ser considerada como dia letivo.  

“Estamos chamando de fase 1 esse período de recesso. Então, as atividades que vamos fornecer agora não contarão como calendário. As atividades que contarão como calendário somente após o dia 21 de abril, no estado. Na fase 2, teremos novas rotinas estabelecidas com horários, etapas, séries e canais onde professores poderão interagir com seus alunos”, explicou Rossieli.

No aplicativo haverá diversos canais focados nos estudantes do 6º ano do ensino fundamental até a 3ª série do ensino médio. Pela TV Cultura, será possível ter acesso a videoaulas e atividades transmitidas até mesmo em tempo real. A grade horária será dividida por etapas. Haverá componentes alternados a cada semana, sendo que matemática e língua portuguesa serão aplicados toda semana.

Segundo o secretário da Educação, a plataforma vai ter chats para que alunos tirem dúvidas e a possibilidade de que sejam baixados materiais e conteúdos pedagógicos.

Os estudantes da rede estadual de São Paulo estão com as aulas suspensas desde o dia 23 de março, uma das medidas da quarentena determinada pelo governo paulista para tentar controlar a disseminação do coronavírus no estado.

Rede particular

O governador de São Paulo, João Doria, lamentou hoje (3) que algumas escolas particulares do estado já estejam determinando a volta às aulas, de forma presencial, a partir de segunda-feira (6), antes mesmo do final do período de quarentena, estabelecido até 7 de abril no estado. Doria alertou que as escolas particulares só poderão voltar a funcionar com autorização do governo.

“As aulas não podem ser retomadas sem prévia autorização e expressa do governo do estado. Portanto, se alguma escola privada orientou ou comunicou seus professores e alunos para voltar aulas no dia 6, ela deve aguardar orientação do governo. Nesse momento, a quarentena impede a realização de aulas, no campo público ou privado”, disse Doria.

Rede municipal

Já os cerca de 1 milhão de estudantes da rede municipal de São Paulo vão, a partir do dia 13 de abril, receber um caderno de atividades, elaborado por educadores e professores da rede.

Os estudantes da Educação Infantil, do Ensino Fundamental e do Ensino Médio, matriculados na rede municipal, vão receber materiais e conteúdos pedagógicos para serem desenvolvidos após o fim do recesso escolar, marcado para 9 de abril. O material será entregue pelo correio, nos endereços que foram cadastrados e atualizados pelas famílias durante o período de matrícula escolar.

Segundo a secretaria municipal, para os alunos com idade inferior a 6 anos, o material apresenta possibilidades de interação e brincadeiras que complementam e auxiliam nos processos de aprendizagem dos bebês e das crianças pequenas, além de indicações de leitura, montagem de brinquedos e jogos.

Para os estudantes do 1º ao 9º ano do Ensino Fundamental, os materiais foram divididos nos eixos Língua Portuguesa, Matemática e Ciências Naturais. Já o material para os alunos do Ensino Médio segue as diretrizes do Enem, e está voltado às atualidades.

O conteúdo, segundo o prefeito de São Paulo, Bruno Covas, ficará também disponível no site da Secretaria Municipal da Educação e poderá ser acessado por prefeituras de outras cidades do país. “É um material primeiramente dirigido aos pais, para que possam ajudar seus filhos a se organizarem dentro de casa. E depois, a todas as nossas crianças. Esse material foi elaborado a custo zero e está disponível no site da Secretaria municipal da Educação para que cada município e cada prefeito, que queira fazer o download, possa fazer já, com autorização da prefeitura municipal de São Paulo”, disse Bruno Covas.

Edição: Fernando Fraga

Open chat
1
Olá!
Posso te ajudar?