Thiago mU

Thiago mU

Thiago é jornalista, locutor e produtor à frente de empresas como o Studio Mu e dos Canais AudioProdutor e GospelBeats

Share on facebook
Facebook
Share on email
Email
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram

Com aluguel vendido a US$ 19,99, sequência já lucrou mais que o antecessor e em três semanas ultrapassou a marca de cinco milhões de locações

A permanência da pandemia no mundo é uma dor de cabeça cada vez maior para a indústria de cinema. Desde meados de março paralisada em todos os estágios de produção e com o circuito exibidor fechado, o meio tem se visto na difícil tarefa de se reinventar enquanto negócio para continuar viva.

Em termos de distribuição, a única opção obviamente se tornou o streaming, e pelo andar da carruagem quem se comprometeu cedo com o formato está começando a colher os frutos. Depois da Netflix confirmar na semana passada que o número de assinantes subiu bem mais que o esperado nesta quarentena, agora é a vez da Universal informar que “Trolls 2” ultrapassou a barreira dos 100 milhões de dólares nos EUA após ter o lançamento movido para o VOD.

A sequência no caso liderou uma primeira onda de anúncios do estúdio em resposta à turbulência inicial do mercado com a paralisação da indústria, mas ao contrário dos colegas de ocasião era a única produção que não havia estreado no circuito e teve o lançamento movido ao streaming. A aposta pelo visto compensou bastante à Universal: desde o debute no último dia 10 de abril, a companhia declara que a animação chegou a 5 milhões de locações no território e já faturou aos cofres dos envolvidos um lucro de US$ 77 milhões – tudo ao preço de US$ 19,99 o aluguel.

O valor já é superior aos quase US$ 30 milhões ganhos com o primeiro “Trolls” em 2016, que com um orçamento de US$ 125 milhões arrecadou na época apenas US$ 153,7 milhões nas bilheterias. “Os resultados de ‘Trolls 2’ superaram nossas expectativas e demonstraram a viabilidade do formato premium do VOD” escreve o CEO da NBCUniversal Jeff Shell ao Wall Street Journal, comentando ainda que o estúdio ainda tem planos de lançar o longa nos cinemas assim que a pandemia for contida.

A expectativa agora é que outros estúdios obtenham resultados parecidos nas próximas semanas, especialmente no que se refere a produções que permanecem exclusivas do circuito exibidor. A aposta do momento parece ser “SCOOBY! O Filme”, animação da WarnerMedia baseada em “Scooby-Doo” que nos últimos dias também teve a estreia movida das telonas para as telinhas.

No Brasil, a Universal optou por preservar o plano de um lançamento tradicional nos cinemas e remarcou a estreia para o próximo dia 8 de outubro, bem a tempo do Dia das Crianças.

Open chat
1
Olá!
Posso te ajudar?