Thiago mU

Thiago mU

Thiago é jornalista, locutor e produtor à frente de empresas como o Studio Mu e dos Canais AudioProdutor e GospelBeats

Share on facebook
Facebook
Share on email
Email
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram

Academia aposta em lives com professores e alunos fantasiados durante a quarentena: ‘Dar uma animada’

Segundo um dos professores da academia, que fica em Sorocaba (SP), a atividade física é fundamental para enfrentar momentos difíceis, como a pandemia de coronavírus.

Academia aposta em lives com professores e alunos fantasiados durante a quarentena — Foto: Arquivo pessoal
Academia aposta em lives com professores e alunos fantasiados durante a quarentena — Foto: Arquivo pessoal

Buscar a inovação foi fundamental para que uma academia em Sorocaba (SP) conseguisse manter o ritmo dos alunos durante a quarentena através de aulas à distância, que contam até com professores e alunos fantasiados. Segundo um dos professores, a atividade física é fundamental para enfrentar momentos difíceis, como a pandemia de coronavírus.

“Lançamos o desafio para os alunos fazerem a fantasia com o que tinham em casa. Procuramos fazer aulas temáticas para dar uma animada, prezamos muito pelo envolvimento social”, explica o professor e um dos donos da academia, Felipe Medina.

Após o anúncio da pandemia e de que todos deveriam ficar em isolamento social por conta do coronavírus, Felipe disse que os alunos começaram a ficar preocupados por estarem acostumados com as atividades diárias nas aulas.

“Quando se falou em isolamento, o pessoal ficou preocupado com a falta desse contato diário. Então, tentamos explicar para as pessoas que a atividade física é essencial para a sanidade mental nesse momento”, diz.

Segundo Felipe, o número de acesso nas lives começou a crescer muito, tanto que a academia decidiu melhorar a qualidade das transmissões, investindo em equipamentos para as gravações.

Agora, a academia reservou um local somente para as transmissões, que ficam disponíveis nas redes sociais caso o aluno queira assistir novamente. Dessa forma, cada professor mantém a aula e os alunos podem acompanhar tudo de casa.

“Tínhamos cerca de 700 visualizações e do nada foi para sete mil. Com isso, decidimos fazer um espaço na academia com iluminação, microfone, câmera, tudo para ficar mais atrativo. A falta de preparo faz com que a entrega seja ruim, então nos preocupamos com isso.”

Academia aposta em lives com professores e alunos fantasiados durante a quarentena — Foto: Arquivo pessoal
Academia aposta em lives com professores e alunos fantasiados durante a quarentena — Foto: Arquivo pessoal

Segundo o casal de alunos, Bruno Maciel e Jennifer Nunes, as aulas estão sendo motivo de descontração em meio às preocupações. “Estamos gostando muito, não perdemos uma aula. Fazemos funcional e treinos livres. As aulas ajudam demais a dar uma animada”, contou Bruno.

Além das aulas, o casal comentou também sobre a preocupação da academia em manter a rotina de exercícios dos alunos, mesmo com as adversidades que o coronavírus e a quarentena trouxeram.

“Mesmo com toda essa incerteza de tudo em nenhum momento eles [a academia] deixaram a peteca cair. Estão treinando com a gente ao vivo em 3 horários diferentes e sem faltar um dia em seus compromissos”.

Academia aposta em lives com professores e alunos fantasiados durante a quarentena — Foto: Arquivo Pessoal
Academia aposta em lives com professores e alunos fantasiados durante a quarentena — Foto: Arquivo Pessoal

Bom para o corpo e a mente

O professor de educação física também dá algumas dicas para quem não costuma praticar exercícios físicos, mas não quer ficar parado dentro de casa.

Felipe orienta que as pessoas busquem atividades que se adequem ao limite individual de cada um para não se machucarem ou correrem algum risco.

“Buscar fazer coisas mais simples, como um agachamento, por exemplo. A pessoa pode usar uma cadeira, fazendo o movimento de sentar na cadeira e levantar várias vezes”, explica.

Uma orientação importante, segundo o professor, é fazer o possível para movimentar o corpo, já que, quando ficamos o tempo todo em casa, acabamos ficando mais preguiçosos, o que afeta a qualidade de vida.

“Exercícios de baixa intensidade são os ideais para quem não quer ficar parado. Tem que se virar como dá, mas com cuidado, claro. Para quem já pratica atividade e está acostumado, na falta de equipamentos, buscar aumentar repetição é uma boa. Fazer o que puder e usar o corpo”, completa.

*Colaborou sob supervisão de Ana Paula Yabiku.

Open chat
1
Olá!
Posso te ajudar?